Medidas de nível socioeconômico familiar são indicadores contextuais de suma importância para a investigação das desigualdades de acesso, trajetória e aprendizagem dos estudantes. Com o intuito de subsidiar esse debate, o objetivo deste texto é apresentar a concepção, metodologia e resultados de um indicador de nível socioeconômico dos inscritos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), procurando detalhar o referencial teórico, o processo criativo e os procedimentos técnico-metodológicos para a geração de uma medida sintética da posição social dos indivíduos. Para tanto, são utilizadas as bases de dados dos inscritos do Enem entre 2011 e 2017 para a construção de um indicador que sintetiza informações de renda familiar e escolaridade parental, por meio do modelo de respostas graduais da Teoria de Resposta ao Item (TRI). Em seguida, o texto explora um conjunto de validações do indicador, além de exemplificar potenciais aplicações e limitações. Sabendo que a construção de medidas numéricas em ciências sociais requer a explicitação dos esquemas teóricos e conceituais que informam a análise, o texto estará especialmente interessado na articulação entre um plano teórico-abstrato e outro operacional-empírico para o estudo da estratificação social e da desigualdade educacional.

Publicado: 10-12-2019

Edição completa